Pular para o conteúdo principal

Eu sou a Máscara


O psicanalista Erich Fromm, em seu livro Psicanálise e Budismo Zen, afirma que “a consciência do homem médio é essencialmente uma “falsa consciência”, consistindo em fingimentos e ilusões, enquanto justamente aquilo de que ele não tem consciência constitui a realidade”.
O processo evolutivo do homem tem por finalidade fazer com que ele alcance a verdadeira consciência, através da perfeita união entre a Alma e a Personalidade ou o Inconsciente com o Consciente. Assim se expressa Angela Maria La Sala Batà, em seu livro O eu e o Inconsciente.
A autora, porém, ressalva que não é fácil alcançar esse ideal, já que, segundo ela, oscila-se por muito tempo entre um extremo e outro, antes de se atingir o equilíbrio perfeito. A demora e os retrocessos são atribuídos à submissão às regras impostas pela sociedade que nos condiciona a falsas verdades, e nos obriga a criar um falso “eu”, alimentado por acomodações e compromissos, automatismos e hábitos.
Esse comportamento, que se faz presente na grande maioria da raça humana, provoca um mal-estar desconhecido, traduzido por um inexplicável desconforto, que é resultante de um alienante afastamento das raízes autênticas de cada criatura humana. Essas raízes estão relacionadas às nossas potencialidades mais altas, que nos põem em contato com o Inconsciente Espiritual.
Desse modo, cria-se uma situação paradoxal, uma vez que aquilo que se chama de “consciência” é, na verdade, uma “falsa consciência”, fabricada e ilusória, enquanto que o que é considerado “inconsciente” esconde o verdadeiro ser, a sua autenticidade.
A verdadeira identidade, o autêntico “eu”, é inconsciente e, quando tenta se exprimir é, na maior parte das ocasiões, impedido pela falsa consciência, pelo falso “eu”, que, à semelhança de uma máscara, encobre o semblante do verdadeiro ”eu”. Em nossos estudos numerológicos, costumamos denominar esse ato de disfarce da verdadeira personalidade de colagem, simbolizando a ação de colar uma máscara sobre o rosto para esconder a verdadeira face.
A personalidade já é por si a máscara que encobre a alma, e essa outra máscara, que encobre a personalidade, não passa de um disfarce, de uma fuga da realidade, de uma busca na fantasia por uma pretensa identidade, que não condiz com a personalidade, e muito menos com a alma.
Todos nós nascemos livres, espontâneos e autênticos, sem nenhum condicionamento externo que interfira em nosso modo de pensar e sentir. A criança é instintiva, desinibida e verdadeira, apesar de não ter consciência do seu verdadeiro eu.
Ela não se diferencia das outras pessoas, pelo fato de ter uma consciência cósmica, que a faz sentir-se ligada a tudo e a todos, numa autêntica integração espiritual, que na tradicional filosofia chinesa era reconhecida como a presença do Tao em tudo que existe. Por isso, a infância oferece as condições ideais para a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento de talentos. Mas, por outro lado, facilita toda sorte de influências e condicionamentos, transmitidos de acordo com as pressões exteriores, recebidas através dos pais, dos ambientes, da educação e da sociedade em que vive.
Em função dessas influências, à medida que cresce e se relaciona com pessoas e ambientes, a criança, sem se dar conta, reprime a sua verdadeira natureza e disfarça a sua legítima identidade, e acaba por construir um “eu” fictício, como se fosse um personagem que recita o seu papel.
Mais tarde, já na idade adulta, a ansiedade por conquistar uma posição no mercado de trabalho e inserir-se na sociedade continua obrigando o indivíduo a se reprimir e a seguir as exigências coletivas, desprezando as suas vocações próprias. Assim, a máscara se consolida e a separação dele da verdadeira personalidade se torna cada vez mais profunda.
O seu verdadeiro “eu”, a alma, porém, permanece viva, e insiste em se manifestar, pressionando a personalidade continuamente, obrigando-a a se questionar diante da sua falsa identidade e instigando-a a arrancar as máscaras, que, a certa altura da vida, são de várias e de múltiplas facetas.
C. W. Leadbeater, em seu livro Os mestres e a Senda, nos fala de sete planos de existência, que são subplanos do Plano Cósmico Inferior. A Mônada pode descer somente até o segundo destes subplanos, que por isso é chamado de Plano Monádico. Para entrar em contato com a matéria mais densa, a Mônada irradia uma porção de si através dos dois planos imediatamente inferiores, e a essa porção da Mônada chamamos de ego ou alma.
A alma, uma pequena e parcial representação do Espírito, não pode descer abaixo da parte superior do plano mental, e para que possa se relacionar com os planos ainda mais inferiores, ela tem de projetar uma porção de si, que se constitui na personalidade. Essa personalidade que a maioria das pessoas toma por seu verdadeiro ser, não é mais que o fragmento de um fragmento.
A resistência oferecida pela personalidade, diante das exigências da alma, deve-se ao fato de que o lado consciente da criatura humana, na maioria das vezes, não deseja reconhecer ou não quer se acostumar com os valores sugeridos pelo inconsciente.
A personalidade, diante disso, não consegue conectar-se com a alma, ou, melhor seria dizer, reconectar-se com o passado, que se encontra registrado nos arquivos da alma. Esse passado é formado por nossos instintos atávicos, ocultos no inconsciente, e que mesmo não sendo observados em algumas encarnações, estão sempre vivos e exigentes, prontos a se manifestar a qualquer momento.
Esses instintos, na maioria das vezes, mesmo sem ser reconhecidos por nossa consciência têm uma profunda e inegável influência sobre nosso comportamento e nossas tendências. A psicanálise reconhece-os como heranças genéticas, mas em nossos estudos eles podem ser identificados como as heranças espirituais, que surgem nos mapas numerológicos em posições dos sobrenomes materno e paterno.
Além dessas influências familiares, devem ser consideradas todas as experiências kármicas individuais de outras vidas, que têm sido acumuladas pela alma, ao nascer em inúmeras e diferentes famílias. E, por fim, acresça-se a essas heranças de outras vidas, os eventos ocorridos nesta vida desde a infância, em forma de lembranças, sofrimentos, traumas e todas as sensações que se imprimiram no inconsciente.
A autora do livro O Eu e o Inconsciente sugere chamar essa área do inconsciente de “inconsciente inferior”, onde se originam os complexos, os distúrbios e as manifestações patológicas denominadas neuroses. Entre esse inconsciente, ligado à Alma, e a consciência, relacionada com a Personalidade, a comunicação não é nada fácil, por existir um espesso diafragma que dificulta essa relação.
Esse diafragma é criado por nós mesmos, inicialmente pela repressão, e a seguir, por um mecanismo automático de remoção. Eis, então, que surgem as máscaras de que falamos anteriormente, a que conceituamos chamar de colagens, para não confundi-las com as verdadeiras máscaras da alma, as personalidades, palavra originária do latim “persona” que se traduz por máscara.
A nossa Personalidade, portanto, carrega em si um passado gravado no fundo do inconsciente. Se ele existe, existe também um futuro – o superconsciente, formado por todas as faculdades, qualidades mais elevadas e possibilidades mais altas, que ainda não chegaram à superfície da nossa consciência comum.
Em determinados momentos, esse “futuro” se torna “presente”, e se revela mediante impulsos elevados, sentimentos nobres e altruístas, atos de sacrifício e heroísmo, intuições, inspirações e estados de consciência alterados, que em situações normais não ocorreriam.
Jung também teve oportunidade de observar esses aspectos mais elevados do inconsciente, em pessoas de meia-idade, que, quando eram reprimidos, provocavam sofrimentos e incômodos. Victor Frankl denominou essas reações de “neuroses noógenas”, como derivadas da repressão das exigências espirituais.
Nós identificaremos situações semelhantes nas Personalidades que se negam ao cumprimento da Missão, e que acabam por sofrer toda espécie de distúrbios, desde o espiritual, até passar pelo psíquico e atingir o físico. São os casos em que perceberemos que a Alma inspira a Missão, mas a Personalidade insiste em conquistas imediatistas, simbolizadas por ganhos financeiros e manipulação do poder.
Simultânea e paralelamente a esse inconsciente pessoal, Jung identificou também um inconsciente coletivo, uma espécie de psique coletiva de toda a humanidade, unindo os homens em contínuo e misterioso intercâmbio de energias, informações, influências, experiências e mensagens telepáticas. Essa psique universal seria o que os antigos alquimistas e místicos chamavam de Alma do Mundo.
A base dessa afirmação está na crença de uma interação constante e permanente das energias circulantes em toda a humanidade. A tese, no entanto, não nega a necessidade dos resgates individuais dos karmas, dentro do processo de evolução dessa imensa Alma do Mundo, que reúne em si o somatório de todas as almas humanas.
A Personalidade é o veículo da Alma humana para o resgate kármico e a contínua evolução da Alma. Mas, para isso, ela terá de interagir com a Alma, seguir os seus ideais e aceitar as suas exigências, para que se cumpra a Missão, quando se dá uma expansão espiritual da Alma, já direcionada para os objetivos evolutivos da próxima Missão.
E para que esse passo evolutivo venha a acontecer, é preciso conhecer todos os níveis de consciência de que nossa Personalidade é formada, a fim de que se possa transformar o “eu limitado” dessa Personalidade, em consciência livre e inclusiva da nossa verdadeira essência, a Alma.
Essa inclusão da Personalidade à Alma é a meta para a qual tende inconscientemente toda a humanidade, insuflada e instigada pela ligação que todos têm com o Espírito, a consciência divina presente na criatura humana. E para tanto, é indispensável que os ideais da Alma e os impulsos da Personalidade se amoldem ao conteúdo de cada Missão, o que deverá ir ocorrendo em função do amadurecimento da Personalidade.
Desvios de rumo, acomodações, ambições desmedidas, autoritarismos e atitudes egoístas serão entraves permanentes ao cumprimento da Missão, que, apesar de provocados pela Personalidade, serão absorvidos pela Alma, e repercutirão nas encarnações seguintes. Não há como desconhecer que, apesar de duas consciências distintas, Alma e Personalidade formam uma entidade uma, inseparável, de dependência parcial e ilusória somente para efeito didático.
Gilberto Gonçalves – Numerologia da Alma





Conheça o Livro Numerologia da Alma

 Conheça o Livro Numerologia da Alma


Comentários

Postagens mais Visitadas

As esquisitices de quem nasce num dia 7

Esta é uma paisagem que cativa e penetra na alma dos que cultivam os talentos do nº 7. A neblina induz ao mistério e a floresta convida para uma incursão ao desconhecido. Introspectivo e silencioso, ele é o caminhante peregrino, que segue sozinho, lentamente, sem se dar conta de onde veio e para onde vai.
A beleza para ele não está na forma com que se defronta, mas com a essência que se mantém fora da sua visão física, e nem por isso distante do campo visual da sua alma.

Ele julga a todos por um padrão rígido e muito elevado, do qual poucos escapam ilesos, condenados pelos mais simples e ingênuos deslizes. E, quase sempre, é ele mesmo o primeiro a sofrer com esse rigor, não se perdoando por suas falhas e desvios, que não são desculpáveis, segundo suas auto-críticas.Calada e pensativa, a moça que nasce num dia 7 fica meditando e projetando seus pensamentos no céu, imaginando o que existe além do horizonte.
Ela e todos que comemoram o aniversário nesse dia precisam encontrar respostas para…

Uma Bomba Poderosa de Amor

Então chegamos ao numero 6, o numero do Amor.  Sentimento de tão nobre valor, de uma grandeza que não sabemos mensurar. Temos realmente várias tendências do amor. Mas acho que, o amor na forma grandiosa, sem cobranças, sem preocupações, sem ciúmes, desinteressado, esse é muito difícil ser alcançado. Ainda se faz muita confusão, mistura de sentimentos. Amor de mãe e pai, muitas vezes exagerado, não respeita a individualidade, não mede palavras, nem atos. Tudo em nome do amor. As vezes sufoca, machuca, vai além das possibilidades. E tem o amor que libera demais, que deixa a vontade, se comparado aos padrões normais, parece até que não ama. Um sentimento tão lindo, que nos faz seres importantes, quando percebemos a nossa capacidade de cultivar e transmitir, seja amor dos pais para o filho, seja de filho para os pais, irmão para irmão, entre amigos, animais, plantas, em fim quantas coisas podemos amar. As várias faces do amor. A energia do amor, é maravilhosa, emociona, contagia, estimul…

Alma 14/5 - Uma Alma Cigana

As almas que trazem consigo o karma 14 são as chamadas almas ciganas, e não conseguem esconder a sua atração pelos ritos ciganos, simbolizados por festas em volta de fogueiras e por uma necessidade muito grande de liberdade.
As almas ciganas sentem enorme atração por aventuras e paixões, ainda que quase sempre estejam vivendo experiências que inibem essas expansões típicas dos ciganos. Algumas delas trazem no rosto, nas orelhas ou em torno do pescoço, os sinais físicos de suas origens. Elas não conseguem esconder a atração que sentem pelas roupas coloridas, pelos brincos, colares e pulseiras, que estão sempre adornando as suas figuras sedutoras e cativantes. 
Os ciganos são povos conhecedores dos mistérios sagrados e depositários de verdades ocultas, que tiveram de ficar protegidas do conhecimento profano, durante muitos séculos. Alegres, festivas e sedutoras, as almas 14/5 adquiriram seus karmas, em suas vidas passadas, por seus hábitos impulsivos de perseguir os prazeres e as pai…

A importancia de Pitágoras para Matemática a Música e as Ciencias

“A vida de Pitágoras que aqui delineamos é uma amostra da maior perfeição em virtude e sabedoria que pode ser obtida pelo homem no presente estado. Daí que ela exibe a piedade não adulterada pela insensatez, a virtude moral não contaminada pelo vício, a ciência não mesclada com sofisticaria, a dignidade da mente e maneiras não eivadas de orgulho, uma sublime magnificência em teoria sem qualquer degradação na prática, e um vigor de intelecto que eleva seu possuidor à visão da divindade e deifica ao mesmo tempo que exalta.” (Por Iâmblico)

Biografia

A vida de Pitágoras é envolta de muitos mistérios pelo fato de não existir nenhuma obra autêntica, o que sabemos dele vieram de biografias escritas por filósofos posteriores à sua morte, como Iâmblico, Diogenes Laertius, Philolaus entre outros.        Pitágoras nasceu na ilha de Samos por volta de 582 a.c ,seus pais eram Mnesarco, um lapidador de pedras preciosas e rico  joalheiro, e Pythias sua mãe. Pouco se sabe sobre sua infância, mas se sabe…

Almas Gêmeas - A comunhão perfeita entre o 1 e o 2

Almas gêmeas são duas almas que se completam, numa interação sadia, numa comunhão perfeita.
Essas almas podem atuar em diversas áreas, e não somente no amor, mas há de ser como um par amoroso que essas almas são mais reconhecidas e comentadas. E há de ser sobre o amor que irei concentrar a minha atenção, enquanto divago sobre essas almas que se completam como feijão com arroz ou café com leite.
Almas gêmeas são almas que encarnam uma como contraparte da outra, com o objetivo de somar esforços para estimular suas evoluções espirituais. Este estímulo deverá ser reconhecido por uma permanente busca de equilíbrio entre seus aspectos masculinos e femininos.
Muito antes de encarnar, essas duas almas se atraem magneticamente, por motivações kármicas e por ideais comuns, baseados num rateio de valores, muito distante da nossa compreensão racional e dos nossos conceitos materiais.
O princípio de tudo é que existe uma atração espontânea no plano espiritual que faz com que almas semelhantes se atrai…

ILUSÃO OU MISSÃO

A humanidade adoece, da esperança de cura, carece. A ilusão desvia a atenção da saúde para a doença, do bem para o mal. A consulta ao médico pressupõe a cura, vacinas e remédios agravam a doença. Na religião, surge a solução, até a dolorosa decepção. A busca exterior se estende por anos, à procura da vida perfeita. Farsas e trapaças, frustrações e desilusões. A medicina, a política, a notícia, a religião, o casamento, a profissão, uma procissão de mentiras. Eu quero a verdade, mas não sei onde encontrá-la. Pago caro, empobreço e não a encontro.
A sugestão de amigos me fala de milagres, livros de autoajuda que curam e revelam segredos. Desfolho capítulos, tropeço em promessas, e não me transporto para as lições e os exemplos. Tudo que revela a cura, só agrava a doença. Não me identifico, nem com as doenças e nem com as terapias. Todos falam de fatos e relatos, que nada representam para as minhas experiências pessoais. Os desafios não são os mesmos, os desvios não são os meus. Concluo que a respost…

Conflitos entre o Numero 1 e 2 explicam os Humores Masculinos

Meus queridos leitores homens, eu vos dedico um pouco do meu tempo, mantendo-me vigilante e com um olhar atento em meu feeling e com o outro cuidando dos meus humores.
Prometo-vos, leitores homens, ajudar-vos a entender melhor os vossos arroubos de mau humor que são enigmas indecifráveis para quase todas as mulheres, e razões de sérias brigas entre marido e mulher.
Acredito que muitos já ouviram falar de anima e animus, termos utilizados por Jung para definir o aspecto feminino existente no homem e o aspecto masculino presente na mulher. Creio mesmo que já devam ter ouvido falar que esses aspectos estão muito ligados aos sentimentos da filha mulher com o pai e do filho homem com a mãe. Mas, a realidade, segundo Jung, vai muito além desses apegos e chamegos de adolescência.
Comecemos tentando entender essa presença feminina no homem e masculina na mulher. Deixem-me, logo de pronto, tranqüilizar-vos, conservadores e liberais leitores, afirmando que não entrarei nessa discussão que vem send…

Segundo Encontro Luz Vida Luz - São Lourenço

De 7 a 10 de Setembro será realizado um importante encontro de pessoas preocupadas com o despertar de suas consciências e com um especial olhar para a Humanidade, neste local que é considerado um celeiro de Espiritualidade em nosso Estado.  Se você procura luz, transformação e evolução este evento é para você. 




Soma Quântica

Embora para a maioria seja vista como uma coisa muito simples,  a operação de soma é uma das mais difíceis de compreender para a natureza humana.  Isso porque temos duas forças dentro de nós disputando espaço de nossa consciência. A natureza da síntese, que busca simplificar, unir e sentir, e a natureza da analise, que busca separar para compreender.

Segundo Lavoiser na natureza nada se perde. Ele afirma também que nada se cria, o que significa que toda coisa nova é um processo que agrega algo sem desaparecer com o que existia. Sob este ponto de vista,  a transformação é uma nova dimensão que se soma a que já existe e a atuação conjunta destas duas realidades se apresenta em uma nova forma, como se fossem ondas sobrepostas.

Então, a velha formula de 1+1 é 2 está incompleta por passar a ideia da eliminação dos elementos anteriormente existentes para o surgimento de um novo.

O número 1 é a representação da individualidade que expressa que cada individuo é único no universo, e por mais …

Numerologia, a Divina Magia

A humanidade vive atrás de milagres. A criatura humana não busca o poder de ser capaz de construir, ela mesma, o seu milagre. É mais cômodo e bem menos trabalhoso, evocar o Poder Divino, e aguardar que o milagre aconteça.
Mas o que é Numerologia da Alma?
A Numerologia da Alma é a magia divina ao alcance da humanidade. Diziam os antigos alquimistas que, a magia é a ponte entre o visível e o invisível. Se esta for a definição exata para a Magia, então, não tenham dúvida que a Numerologia da Alma é essa ponte misteriosa.
Quando Pitágoras, sentado e admirando o céu, teve a visão perfeita da mensagem dos números, não teve dúvida, levantou-se e pôs-se a trabalhar. O verdadeiro Mestre nunca espera um milagre, ele se põe a criar o caminho mais curto para que se dê o milagre.
A humanidade tem ao seu dispor essa ferramenta sagrada, chamada Numerologia, que revela verdades ocultas e descobre às vistas de todos, o conhecimento de tudo que existe em nosso mundo físico. Nós não precisamos dos dons …